sábado, 29 de setembro de 2012

LUTAR PELO CONTROLE. OBTER O CONTROLE. MANTER O CONTROLE.




Honório de Medeiros


Obter o controle. Estar no controle. Manter o controle. Faz parte da parafernália ideológica que é a tal da estratégia militar ou de combate. Está em Chomsky, basta lê-lo. Quem tem o controle tem o Poder, dizia, para um dos seus escravos, o extraterrestre que governava a terra no romance de L. Ron Hubbard, aquele autor americano de ficção científica que ficou mais famoso como criador da Cientologia, estranha seita preferida de 10 entre 10 atores famosos americanos.

O controle está para o Poder como a célula está para o tecido, o átomo para a matéria, digo eu. É através do controle que se estabelece a hierarquia, seja qual seja o ser vivo, parodiando Popper e sua Teoria Evolucionária do Conhecimento, ou seja, da ameba ao humano. Lula, que não é lido, mas não é burro, deixou bem claro ao analisar Pedro Simon e sua quixotesca candidatura a Presidente do Senado: “ele não é confiável”. Confiável ou controlável? Dá no mesmo nesse contexto sórdido da política.

Na raiz desse controle está a tendência inata do ser humano de explorar, absorver, extrair, para si, tudo quanto, naquilo que o cerca, amplie sua possibilidade de sobrevivência. Dawkins – esse mesmo que desencadeou uma cruzada contra Deus a partir de Darwin – afirmaria que fazemos isso manipulados pelos nossos genes. Para ele, nós somos nossos genes. O resto é invólucro. Ou seja, o resto é resto. Há controvérsias. Alguns acham muito radical essa teoria.

Trazer para o mais íntimo de nós, no aspecto físico, o que está por trás – mesmo que remotamente – das ações humanas deu um corpo de vantagem a Darwin sobre o velho Marx. Este, como se sabe, coloca a divisão do trabalho na raiz do problema do controle. Esta, a divisão do trabalho, vai fazer surgir a propriedade privada, ou vice-versa, as relações de produção, a infra-estrutura material, a superestrutura ideológica, enfim, ufa!, a luta de classes e a exploração do homem pelo homem.

Mas o que estaria por trás do surgimento da propriedade privada? O que está no começo da exploração do homem pelo homem? Marx não disse. Talvez seu companheiro Engels tenha esboçado algo a respeito a partir da análise dos estudos de Morgan, um antropólogo e etnólogo americano que andou estudando os nativos de seu país no final do século XIX, em uma obra que é muito citada nos meios acadêmicos e pouco lida. Pois Darwin disse. Disse claramente. E com ele, começou um novo capítulo das ciências sociais e, mais especificamente falando, da Psicologia Social Evolutiva.

Pois bem: voltamos ao ponto de partida. Somos levados, instintivamente, a controlar para explorar. Isso tanto em nível pessoal quanto social. Quem controla estabelece hierarquia. O povo, que não é besta, há muito denuncia, como pode, a arrogância da elite que põe o dedo em riste e pergunta ao Zé Mane: “você sabe com quem está falando?”, para tentá-lo controlar.

E não há limite para a intenção de controle. O céu é o limite. “Quanto mais temos, mais queremos ter.” O povo diz, o povo sabe. O senso comum é o ponto de partida para o conhecimento. Quanto mais queremos ter, mais nos tornamos predadores.

Claro que os controladores dão nomes bonitos a tudo isso. Faz parte do jogo, é uma estratégia de controle. Chamam a esse impulso predatório de ambição social, luta para deixar o legado na história, defender os interesses da sociedade, luta para ascender na escala social... Tudo lorota. Na essência, é o ruim e velho capitalismo de guerra e sua teia de argumentos justificatórios. No âmago do âmago, como diriam os exagerados, está esse egoísmo inato cujas vísceras Darwin expôs.

E os santos, alguém perguntaria. O altruísmo, diria eu, é sempre uma espécie do egoísmo.

Um comentário:

Luziana Medeiros da Fonseca disse...

Controle, capitalismo, a essência da vida, a essência de quem explora quem, a essência do Brasil, ou melhor, indescencia do nosso país, que está nas mãos de tantos controladores frios, calculistas e sórdidos.
O controle é algo sem dúvida fascinante, já que o mesmo representa o poder, ou poderia ser opressão,tanto faz a forma que você o chame,porque no final, tudo é PODER, só ele conta e só por ele luta-se, é triste viver em um mundo de marionetes, mais é isso que somos e onde vivemos, somos feitos de bonecos todos os dias,as vezes é apenas um espertinho que nos passa uma garantia estendida que você não pediu pra comprar, por um "brinde", quando no final das contas, você se dá conta que o brinde tá saindo do seu bolso e que o espertinho te controlou e enrrolou tá lá agora sentado em algum lugar rindo de você, uma simples e pura marionete, mais como vamos reclamar por estarmos sendo marionetes se vivemos num país onde educar o povo vai fali-lo? onde um voto vale apenas 30 reais? como lutar contra uma "cultura" criada e imposta sobre nós marionetes? Simples e fácil, como já dizia uma professora de quem tanto me orgulho e ouço com carinho e atenção(Rosangela Zuza), a solução é exatamente esta frase dela:" SIMPLES E FÁCIL", basta que você marionete decida mudar o rumo de sua vida, decida lutar pelo certo e cortar essa cordinha que colocoram em suas costas e te levam para onde eles querem. Só lembre-se: o Certo assim como o justo é um critério Subjetivo, então cuidado quando buscar os mesmos.