sábado, 10 de janeiro de 2015

DE TERRORISMO



* Honório de Medeiros


Interessantes algumas manifestações em defesa dos terroristas que atacaram a revista francesa. Insinuam, veladamente, que a culpa é da revista, por "cutucar a onça com cara curta", ou "semear vento para colher tempestades." Alguns, menos hipócritas, defendem os espasmos de violência com fulcro "no direito de reação da nação muçulmana aos séculos de opressão que lhe foi imposta pelo Ocidente". Ora, se a resposta terrorista foi justificada pela provocação recebida, não se poderá criticar a resposta do Ocidente que com certeza virá. Por outro lado, não se pode confundir a imensa maioria dos muçulmanos com esses ébrios de sangue e terror que oprimem seu povo tanto quanto querem oprimir as sociedades ocidentais. Ingênuos ou maliciosos, não aceitam jogar o jogo de acordo com as regras. Mas os que defendem os terroristas aceitam e desfrutam dessas mesmas regras quando lhes beneficia m ou servem para seus interesses escusos.

Arte: noticias.uol.com.br

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

O EGOISMO DOS GENES



* Honório de Medeiros

Embora não seja consensual, é difícil não ser "O Gene Egoista", de Richard Dawkins, após "A Origem das Espécies", de Darwin, a mais importante obra acerca da Teoria da Evolução, mesmo levando-se em consideração "Sociobiologia", de E. O. Wilson.

Sua importância é ressaltada de forma clara por Steven Pinker, o festejado professor de psicologia de Harvard autor de "Do Que é Feito o Pensamento", em "Violência Ancestral", capítulo do "Anjos Bons da Nossa Natureza", Companhia das Letras.

Se "O Gene Egoista" pode ansiar por essa relevância , é quase consensual que a parte mais importante da obra é seu Capítulo XI, denominado "Memes ou Novos Replicadores", de tal importância que originou um novo ramo do conhecimento, a Memética.

E o que há de tanta importância nesse famoso Capítulo XI? Exatamente a criação de um "meme", por parte de Dawkins. A exposição de uma teoria que utiliza por analogia, a notação de mutação genética, apresentando o surgimento da mutação cultural como inerente à evolução, e que tem como núcleo o "meme".

Logo no início do capítulo, Dawkins expõe: "A transmissão cultural é análoga à transmissão genética, no sentido de que apesar de essencialmente conservadora, pode dar origem a uma forma de evolução. (...) É a nossa própria espécie que mostra verdadeiramente o que a evolução cultural é capaz de fazer."

Uma vez estabelecido o "Meme" enquanto "Meme" no caldo cultural e civilizatório é possível supor que haja implicações radicais nas denominadas Ciências Sociais, muito embora a resistência à Teoria da Evolução, mais por desconhecimento do que por qualquer outro motivo, seja algo onipresente nos quatro cantos da Terra. E não é por menos: demole Marx e Freud sem piedade...

* Arte: ft.org.br

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

DE HOMENS VULGARES



* Honório de Medeiros

"Era um homem vulgar que sentia supremo prazer em controlar tudo e manter os outros na ignorância." ("Norwegian Wood"; Murakami).

O contexto é outro mas se aplica perfeitamente a burocratas que supõem assegurar seu espaço na administração pública fazendo exatamente isso ao qual alude Murakami.

Ou, então, se aplica, também, a alguns pseudo-espertos que engabelam alguns, durante algum tempo, fazendo de seus silêncios uma aplicação tática: pretendem passar por quem sabe muito acerca de tudo, quando não sabem nada acerca do que importa.

São tão pequenos quando o que supõem esconder...

* Arte: salvoconduto.blogs.sapo.pt

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

ADEUS, JÚNIOR BARRETO



* Honório de Medeiros

Quantos já foram, Jânio Rêgo? Você sabe dizer, Carlos Santos? Não sei se vocês sabem, mas não suporto mais a hora do crepúsculo na calçada de minha casa em Mossoró.

O sol se punha, vocês se lembram, e nós pegávamos a bola e corríamos para o meio-da-rua enquanto nossos pais colocavam as cadeiras nas calçadas e ficavam tomando o fresco, como se dizia antigamente, ou seja, pegando o vento Nordeste que espantava o calor e as muriçocas, e apartando as brigas que surgiam, inevitáveis.

Depois o tempo nos levou cada um para seu destino, mas ser amigo de infância significa não haver qualquer cerimônia quando dos reencontros. Estamos sempre à vontade entre nós. E a conversa surge e segue fácil, adoçada pelas lembranças comuns.

Assim foi quando eu encontrei Júnior pela última vez, na caminhada noturna da Alexandrino de Alencar, em Natal, onde tantos mossoroenses dão as caras, de quando em vez. Conversamos um bom pedaço. Ele não sabia que eu sabia de sua doença. Eu não podia, portanto, dizer a ele o quanto desejava que ele se curasse, o quanto lhe tinha afeto.

Quando acontece algo assim, se estou em Mossoró, olho para a frente da casa dos meus pais e não suporto a saudade da infância; olho para os lados e não suporto as ausências. Foram-se muitos da nossa República Independente da São Vicente, foram-se meus pais, os seus pais, Jânio, os seus pais, Carlos Santos, os pais de Roberto Fausto, os de Valério, os de Júnior Barreto...

E agora se vai Júnior Barreto, uma flor de pessoa, cordial, gentil, educado, um cidadão irreprochável, uma unanimidade, como bem definiu Delevam. Um de nós, da nossa República amada, da turma do patamar da Igreja de São Vicente. Não era para ir. De forma alguma era para ir. Júnior era uma criança, tinha muito ainda para viver. Mas foi. 

Dê lembranças aos nossos velhos, amigo. Beije todos eles. E abrace e beije cada um dos nossos amigos que lhe antecederam: Cipriano, Pérsio, Marcos, Luis Artur, Toninho...

domingo, 4 de janeiro de 2015

HÁ BURACOS DE BALAS EM BARCELONA



* Honório de Medeiros

Nas madrugadas de Barcelona as largas calçadas acomodovam, em dezembro, o frio, os jovens cheios de vinho que passavam cantando, bicicletas, scooters e motos em lugares apropriados, que não impediam a passagem dos pedestres. Conto para Carlos Santos das calçadas tomadas por esses meios de transporte mal chega a noite. Ele ri e me fala de uma cadeira em ruínas acorrentada em plena Praça do Codó, condenada à prisão para não ser furtada tão logo o dono lhe dê as costas.

Cadê a polícia, pergunto ao Georgiano taxista, setentão, que me conduz. Ele responde que não precisa, basta chamar, e todo mundo chama se alguma coisa está errada, e a polícia chega imediatamente, e, de fato, mal vi a polícia em Barcelona. O Georgiano me pergunta de onde sou. Eu lhe digo que sou brasileiro, e ele sorri, e me fala em Pelé e Garrincha. Garrincha?, pergunto, sim, Garrincha, Garrincha, diz ele, o grande Garrincha, hoje a sua seleção, me desculpe, eu não assisto.

E o senhor largou a Geórgia por quê? Putin me diz ele, um homem muito mal, como Stálin, que era da Geórgia, mas nunca fez nada por ela. Muito mal, repete, very bad, very very bad, um homem sem pai, sem mãe, criado em orfanato, depois foi para a polícia, cruel, e meus pais perderam tudo e vieram embora, e eu vim também, mas a casa de meus pais ainda existe lá, fechada, na bela Geórgia, e eu vou lá, e tomo vinho, a Geórgia tem um vinho muito bom, e a casa fica fechada, mas quando eu vou, abro a casa e tomo muito vinho, falo muito minha língua, e durmo.

Continuamos seguindo e eu vou vejo as bandeiras catalãs postadas nas janelas dos apartamentos, e me lembro do livreiro que tem um sebo em frente ao Palau de la Musica Catalana onde tantos famosos se apresentaram, e de seu olhar ressabiado quando lhe pedi um livro com a história da Catalunha em espanhol, e ele me respondeu, ríspido, em espanhol eu não tenho, tenho em Catalão, e como eu lhe disse que infelizmente não lia Catalão, mas acidentalmente tinha aberto o casaco no qual estava escrito “The Catalan Way of Life”, ele lamentou não ter esse livro de história da Catalunha escrito em espanhol e acrescentou mordaz, que não sabia se havia algum que não fosse ruim.

É, Barcelona é algo muito especial, muito especial mesmo, fico pensando enquanto caminhava, dias antes, no rumo da cidade gótica, pela qual me apaixonei sem resistência, querendo parar em cada obra de arte encontrada por seus caminhos tortuosos, escuros e estreitos, em cada igreja gótica, ouvir os músicos que tocavam em todos os lugares, tal qual aquele que executara uma suíte arcaica em violino e parecia ausente de todos que o escutavam e depositavam moedas em seu chapéu, pois tocava de olhos fechados, como se estivesse ausente daquela realidade barulhenta, multicolorida e de muitos idiomas que lhe cercava, até chegar à minha pracinha predileta, tão pequena, tão impossível de descrever, em cujas madrugadas eram executados os republicanos, contra as paredes do colégio e igreja que lhe estabelecem os limites, nos anos terríveis da guerra civil. Que diria François se estivesse ali?

Olhe aqui, me disse a mineira, está vendo as marcas das balas nas paredes, claro, digo eu, pois perceba, alguns buracos são muito altos, não atingiriam ninguém, sabe por quê?, claro que não, é porque, continua ela, naquele tempo, todo mundo se conhecia em Barcelona, e alguns dos carrascos eram amigos das vítimas. Meu Deus penso eu...

Ah, Barcelona... A gaúcha que nos acompanhou a Montserrat pareceu interessada quando lhe contei acerca da cruzada que a igreja empreendeu contra os cátaros no século XIII. São Luiz, pergunta, sim, São Luiz, tudo era uma questão de poder e terras disputada entre os nobres do norte, liderados por ele, contra os do sul, liderados pelo poderoso conde de Toulouse, fomentada pela igreja que temia o surgimento de uma nova religião a partir daquela doutrina perigosíssima, eu lhe disse, e, veja, continuo, o Santo Graal está aqui, em Montserrat, é, eu sei, diz ela, Hitler mandou seus soldados liderados por Himmler, mas eles não encontraram nada. Sei onde está, sabe?, pergunta ela, claro, respondo, olhe aquelas rochas, você vê um perfil?, sim, eu vejo, então, continuo, o nariz aponta para uma fissura na rocha, é lá, ela olha e depois olha para mim e fica sem saber se eu brinco ou sou louco, e muda de assunto: você não fala em Gaudí quando fala em Barcelona, ah, Gaudí, eu digo, o delírio de Gaudí, como posso gostar de Gaudí, tão distante do homem comum, não bebia, não fumava, não jogava, não dançava, não tinha mulher, era carola, morava nas obras da Igreja da Sagrada Família, é tudo muito bonito, mas irreal, eu gosto de Gaudí, mas ele era pouco humano e somente o humano me interessa, e viva Terêncio, que disse isso muito tempo atrás.

Do que você gostou, ela me pergunta, com aquele sotaque do interior do Rio Grande do Sul, das obras de arte escondidas em cada recanto, digo eu, dos músicos de rua, da fé que os Catalães têm na Catalunha, de tantos imigrantes, tal qual o coreano que trabalha dezoito horas por dia no seu mercadinho próximo do apartamento no qual eu estava, do cuidado com os idosos, pois as ruas são pensadas a partir deles e para eles, das espanholas tão sensíveis a elogios a sua beleza, desde que feitos como se fosse uma rendição, nunca uma tentativa de conquista, da simpatia dos catalães para com os brasileiros, do bairro gótico, da elegância dos caminhantes, das crianças que brincam felizes e despreocupadas em todos os cantos da cidade, da ausência da polícia e do respeito à lei, da história da nação catalã, da relação da Catalunha com a Provença francesa...