quinta-feira, 24 de outubro de 2013

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DA FAMÍLIA SALDANHA (I)


 Marcos Pinto

 

Tradicional e antiga família cearense advinda do Português MIGUEL CARLOS DA SILVA SALDANHA, que fixou-se na região jaguaribana, onde adquiriu inúmeras e vastas terras nas povoações de Jaguaribe-Mirim, Santa Rosa, Riacho do Sangue e Cachoeira, que passaram a cidades com as denominações de Jaguaribe, Jaguaribara (A antiga cidade que se encontra submersa pelas águas da Barragem do Castanhão) Jaguaretama e Solonópolis, região reconhecida como feudo das vetustas famílias SALDANHA e DIÓGENES, entrelaçadas entre sí por diversos matrimônios.

Devido à grandes e ferrenhos embates travados pelos Saldanha com outras famílias na região, em disputa por terras, houve dispersão de alguns componentes que optaram por fixarem moradia definitiva no estado da Paraíba, inicialmente na Serra do Teixeira, e depois na localidade Riacho dos Porcos, à época fazenda, que deu origem à cidade de Belém do Brejo do Cruz-PB, estendendo os domínios de suas terras com a compra da fazenda "Mulungu", encravada na área territorial de Brejo do Cruz-PB.

Pelos documentos oficiais destaca-se o Sr. JOAQUIM DA SILVA SALDANHA como pioneiro da família a aportar em terras paraibanas, após abandonar as plagas jaguaribanas, optando por procurar novos horizontes em terras já conhecidas pelos seus ascendentes. Fixou-se na fazenda "Mulungu", encravado na área territorial de Brejo do Cruz, considerado um dos mais antigos municípios da Paraíba. Fincou seus currais inicialmente na "Serra do Teixeira". Teixeira é um município brasileiro no estado da Paraíba, localizado na microrregião da Serra do Teixeira e integrante da Região Metropolitana de Patos. Por ter se envolvido em conflito em questões de divisas e marcos em terras vizinhas, o arrojado Joaquim deliberou em comprar terras em Brejo do Cruz, denominada de fazenda "Mulungu".

Joaquim era filho de Domingos da Silva Saldanha e Maria Rosa Cândida de Miranda. Conta a tradição oral que os intrépidos irmãos SALDANHA aportaram nos citados lugares por volta do ano de 1820.  Joaquim casou com FRANCISCA JOAQUINA MAIA, da tradicional família do Catolé do Rocha, senhora de gênio irascível e determinada na resolução de intrincados problemas quando verificada a ausência do esposo. Essa inconfundível matriarca sertaneja era popularmente conhecida como Dona Chiquinha do Mulungu. Desse venturoso casal nasceram:

F.01- Capitão PEDRO DA SILVA SALDANHA:

Nasceu em Brejo do Cruz-PB. Faleceu em Mossoró a 19.03.1899, aos 57 anos de idade, deixando a viúva MARIA CÂNDIDA MONTEIRO SALDANHA e os filhos:

N.01 - Joaquim Cândido da Silva Saldanha. (09 anos de idade).

N.02 - Cândido Joaquim da Silva Saldanha. (06 anos de idade).

N.03 - Isaura da Silva Saldanha.

N.04- Etelvina da Silva Saldanha. (08 anos) que veio a casar com o seu primo legítimo BENEDITO DANTAS SALDANHA, filho de Benedito Dantas da Silva Saldanha. Sem descendência. 

F.02- BENEDITO DANTAS DA SILVA SALDANHA - Casado com...

Foi pai de:

N.01- Benedito Dantas Saldanha - Nasceu em Brejo do Cruz-PB no ano de 1894. Casou com sua prima Etelvina da Silva Saldanha. Devido a sérios desentendimentos com a família Dutra, em que seus irmão Quinca e Plínio, conhecido como Marinheiro Saldanha figuravam como mentores intelectuais, junto a alguns parentes, em que mandou seis dos seus jagunços cometerem diversas tropelias, destacando-se a do dia 25 DE ABRIL DE 1926, que atacaram Brejo do Cruz, na Paraíba, matando Manuel Paulino de Moraes, Dr. Augusto Resende (Juiz Municipal), fere Dr. Minervino de Almeida, o “Joca Dutra” Prefeito Municipal), e Severino Elias do Amaral (Telegrafista). 

Autores intelectuais (supostamente): Deputado João Agripino de Vasconcelos Maia, residente no Sítio “Olho D’Água”, Catolé do Rocha, PB; Joaquim Saldanha (Quincas Saldanha), residente na fazenda “Amazonas”, Brejo do Cruz, PB; Odilon Benício Maia, residente na fazenda “Pedra Lisa”, Brejo do Cruz, PB; Plínio Dantas Saldanha, vulgo “Marinheiro Saldanha”, residente em Jardim de Piranhas, Caicó, Rio Grande do Norte, como mandantes[9]. 

Executores: Massilon Leite[10], José Pedro[11] (vulgo Coqueiro), Peitada, João Domingos, João Boquinha e João Cândido – vulgo Negro Cândido. 

Fonte: Denúncia oferecida pelo Promotor Público da Comarca de Souza, Paraíba, servindo “Ad-Hoc” em Brejo do Cruz, Paraíba, Dr. Emílio Pires Ferreira, em 10 de fevereiro de 1927, transcrita no Jornal “União”, da Paraíba, número 82, em 9 de abril de 1927, sábado. 

Assim foi o fato: como todos os finais-de-tarde em Brejo do Cruz, no Sertão paraibano, formou-se uma roda na frente da casa de Antônio Dutra de Almeida, no começo daquele fatídico ano de 1926. Dr. Joca Dutra (João Minervino de Almeida), Manoel Paulino Dutra de Morais, José Targino, Dr. Francisco Augusto de Resende (Juiz da Cidade) eram os presentes. 

As cadeiras, dispostas dia-a-dia nos mesmos lugares, eram, pelo hábito, marcadas: recebiam sempre os mesmos ocupantes. Em certo momento José Targino e Dr. Antônio Dutra de Almeida se levantam e vão tomar água no interior da casa. Nas cadeiras nas quais eles estavam sentados, inexplicavelmente se sentam Manoel Paulino Dutra de Morais e Dr. Francisco Augusto de Resende.  Escurece. 

Um atirador tomou posição a alguma distância e, de rifle, atirou nos ocupantes das duas cadeiras que lhe tinham sido previamente assinaladas. 

Dr. Francisco Augusto de Resende tombou morto. Manoel Paulino Dutra de Morais, ferido, fez menção de se levantar. Os outros tinham fugido. 

O atirador aproximou-se e desfechou várias peixeiradas em Manoel Paulino Dutra de Morais. Ao terminar observou atentamente o semblante do outro morto e gritou: “matei um inocente”.
 
Recolheu as armas, montou o cavalo, picou na espora e sumiu na escuridão da noite. Fora Massilon.
 


Chefe de cangaceiros BENEDITO DANTAS SALDANHA (calçando botas de cano longo) 

 BENEDITO foi nomeado Prefeito de Apodi pelo Interventor/governador Bertino Dutra, tendo assumido no dia 10 de Janeiro de 1933. Devido a cerrada campanha de divulgação da imprensa oposicionista da capital do estado, que repudiava o fato de ter sido nomeado um afamado chefe de cangaceiros para administrar o município de Apodi, teve curta duração à frente dos destinos daquele rincão, tendo sido demitido a 23.07.1933, portanto, com gestão de 05 meses e 23 dias. Investido da condição de Prefeito nomeado, à época denominado de Interventor, protagonizou violento atentado, quando na manhã do dia 18 de Abril de 1933 mandou trazer à sua presença o Coronel Lucas Pinto, escoltado sob ameaça de três cangaceiros/capangas armados, ocasião em que empunhando um revólver, tentou obrigar o Coronel Lucas Pinto engolir duas bolas feitas com jornal, sob a alegativa de que o líder político Apodiense mandara veicular notícia no Jornal "A RAZÃO", impresso e com sede em Natal, dando conta de que ele e seu irmão Quinca Saldanha comandavam grupo de cangaceiros, acoitados em sua fazenda em Caraúbas, e com atuação em Apodi e região. 

O Coronel Lucas Pinto foi salvo desse vexame graças à intervenção do valente Apodiense DECA CAVACO, que ao saber que o seu padrinho se encontrava sob ameaça do Benedito, dirigiu-se até o sobrado onde se desenrolava o sério atentado à integridade física do Cel. Lucas Pinto. Em lá chegando, dois cangaceiros tentaram impedir o acesso do Deca Cavaco, que ao descer do seu cavalo já empunhou seu punhal e deu dois sopapos nos dois cangaceiros, derrubando-os de uma só vez, ao mesmo tempo em que advertiu-os para que não insistissem em impedir o seu acesso. Ao chegar ao pavimento superior, encontrou Benedito aos gritos, obrigando o Coronel Lucas Pinto a engolir as bolas de jornal. Incontinenti, o Deca cravou o seu punhal no birô do Benedito e exclamou: Se não comeu não come mais. Encarou o Benedito e falou: Vou levar o meu padrinho, e se você se meter derrubo-lhe com um só tiro no meio da testa. 

Dito isto, mandou que o Coronel Lucas Pinto seguisse na frente que ele iria atrás, protegendo-o. Ao Benedito, que já havia sofrido uma cantada do Deca Cavaco, só restou a alternativa de convidar o Deca para mais tarde beberem e jogarem baralho juntos, no que o Deca respondeu que não bebia nem jogava com bandido. Nesse dia, o Coronel Lucas Pinto era o homem marcado pra morrer. Benedito Saldanha faleceu envenenado por sua amante, na cidade de Maranguape, onde residia, por volta do ano de 1954.

19 comentários:

Victor Luís Saldanha disse...

Muito interessante a postagem, pois sou da família Saldanha, tendo o Quinca Saldanha como meu trisavô. E apesar de sempre ter escutado histórias sobre ele, contadas pela minha vó e demais familiares, não sabia que meus antepassados tinham firmado matrimônios com os Diógemes do Ceará.
Na verdade as histórias que ouvi tinham sempre ele como ponto de partida, bem como que a família que os Saldanha se relacionavam era a família Veras. Inclusive na região do oeste potiguar, nas cidades que fazem divisa com a Paraíba, mais precisamente em Belém do Brejo do Cruz, Brejo do Cruz, Janduís, Jardim de Piranhas, se afastando mais um pouco e chegando em Campo Grande, Caraúbas, dizer que é Saldanha é o mesmo que dizer que é um Veras, pois as duas famílias são tidas como sendo uma só.
De qualquer forma, é sempre bom conhecer nossas origens, ainda mais quando se gosta muito de ouvir histórias a respeito dos mais antigos que deram nome a família. Parabéns pelo texto.
victorluizsaldanha@hotmail.com

bruno gabriel disse...

Eu tamben faço parte da família Saldanha, que hoje mora no norte em Roraima. E foi muito bom conhecer melhor a historia da nossa família.

Karine Saldanha disse...

dkme_0605 @hotmail.com

Karine Saldanha disse...

dkme_0605 @hotmail.com

tsukinomoro disse...

HISTÓRIA MUITO INTERESSANTE SOBRE A FAMILIA SALDANHA QUE EU NÃO CONHECIA ATÉ ENTÃO, É SEMPRE BOM SABER A NOSSA ORIGEM.
TAMBÉM SOU DA FAMÍLIA SALDANHA E FIQUEI CONTENTE EM DESCOBRIR PESSOAS QUE FAZEM PARTE DESTA HISTÓRIA.

Anônimo disse...

Me chamo Maria Aparecida Saldanha da Silva.
É uma satisfação muito grande fazer parte da familia saldanha.
Eu nao conheço ainda minhas origens, mas pretendo descobrir!!
Estou a procura de meus antescedentes.
Meu e-mail: saldanhaaraujo@bol.com.br.
Face: cidasaldanha

Saldanha Joao Carlos disse...

Prezado Dr Honório de Medeiros,
demais honrados membros da Família Saldanha, congratulações.

Foi com imensa satisfação que li cada palavra anteriormente registrada, até então jamais havia encontrado registros tão precisos e esclarecedores e, em dados momentos, emocionadamente, diante da riqueza dos detalhes, até consegui imaginar os acontecimentos.

Para os devidos registros da linhagem, eu, João Carlos Saldanha, nascido em 1956, no extinto Estado da Guanabara, antiga Capital do Brasil, atualmente, conhecida como à Cidade do Rio de Janeiro, situada no Estado de nome similar, declaro publicamente ser descendente direto dos Saldanha, oriundos do Clã de Catolé do Rocha, de acordo com às narrativas do meu Ilmª e saudoso pai João José Saldanha Neto, Oficial Paraquedista do Exército brasileiro e Médico Estatutário do Ministério da Saúde.

Filho de Mário José Saldanha e Lindalva da Silva Saldanha, nasceu no Estado de Pernambuco vivendo até vir para o Rio de Janeiro, na Cidade do Recife.E, por suas narrativas conhecemos um pouco da nossa histórica linhagem porém, a ligação direta com Catolé do Rocha, a mesma, creio, citada por vossa senhoria nesta exposição, recai sobre o avô de papai, João José Saldanha conhecido por "vô Joca", no caso, filho que abandonou à Família, irmãos que ficaram em Catolé do Rocha, pelo que soubemos e, foi com sua esposa residir em Recife o qual, entre outros, originou-se meu ilustre avô Mario José Saldanha.
Existem meus parentes descendentes dos meus tios avós a quem não os conheci, infelizmente, apesar de ter conhecimento de que integram a ramificação dos Saldanha, nos arredores da Capital, no caso Recife, . Mas por outro lado, tive a satisfação oportunidade de ficar por algum tempo do tio Joaquim José Saldanha(Quinquim), minha tia sua Esposa Zinete Saldanha e seus filhos, enquanto residiram no Rio de Janeiro, mas, retornaram ao Recife. A irmã mais velha do meu pai, tia Marli Saldanha, seu esposo Clóris Marcos Lima, Oficial do Exército e seus filhos, meus primos, os conheci em 1967, quando fomos passar as férias em Olinda, ao todo, naquele inesquecível Verão eramos, cerca de 20 entre primos e primas, contando comigo e minhas duas amadas irmãs. Para finalizar esta declaração, nesta ocasião, conheci uma segunda filha de meu avô, Mario, a tia Marluce, apesar de retornar em Olinda em 1982,não consegui encontra-la.

Sendo o mais oportuno, agradeço ao Ilmº Dr Honório Medeiros esta oportunidade.

Respeitosamente,

Saldanha João Carlos.

Alzira Saldanha disse...

Professor Honório. Estou fascinada com o sua matéria SUBSÍDIOS PARA A HISTORIA DA FAMÍLIA SALDANHA. Meu avô nasceu em Catolé do Rocha e veio fixar residência no Rio Grande do Norte, mas precisamente em Taipu, onde nasci. Quincas Saldanha era parente do meu avô (não sei o grau de parentesco. Meu pai contava muitas histórias dessa família que sinto orgulho de fazer parte. Infelizmente todos já faleceram e eu pouco sei sobre os Saldanha. Por favor, me ajude a conhecer mais minha família. Atenciosamente, Alzira Saldanha.

Perpétua Saldanha disse...

Adorei conhecer sobre algo que eu tinha muita curiosidade, sou da família Saldanha de Jaguaribe Ceará, meu avó se chamava João Canuto Saldanha e minha avô Maria Perpétua Pinheiro Saldanha, gostaria muito de descobrir os nomes dos meus antepassados, se alguém souber dessa família, sobre meus tataravós entre em contato comigo. Email pett_saldanha@hotmail.com
Agradeço desde já.

Perpétua Saldanha disse...

Adorei conhecer sobre algo que eu tinha muita curiosidade, sou da família Saldanha de Jaguaribe Ceará, meu avó se chamava João Canuto Saldanha e minha avô Maria Perpétua Pinheiro Saldanha, gostaria muito de descobrir os nomes dos meus antepassados, se alguém souber dessa família, sobre meus tataravós entre em contato comigo. Email pett_saldanha@hotmail.com
Agradeço desde já.

nss impermeabilização disse...

olha meu nome e Noe saldanha ja conhecia a história da familia e muito bom conhecer mais sobre nossas origens

José Carlos de Oliveira Saldanha disse...

Boa tarde, muito interessante sua introdução sobre a origem da Família Saldanha. Sou do Rio Grande do Sul, nascido na cidade de Quaraí, na região da fronteira do Uruguai e Argentina. Nas cidades de Quaraí, Santa do Livramento, Alegrete, Uruguaiana, São Sepé, dentre outras existem muitos Saldanhas. Tenho muito interesse sobre a família e suas origens e tenho muito orgulho de pertencer a esta família, cujo sobrenome é forte e conhecido. Minha família é muito antiga naquela região, que em tempos idos se uniu em matrimônio com os Pacheco, família que lidava com gado em extensas área de terra. Em razão do nascimento de muitos filhos, alguma falta de habilidade, a fortuna dissipou-se. Há mais de vinte anos resido no norte do Estado, em Erechim, atuando como advogado. Parte da família mais recente são de militares e das carreiras jurídicas, além das mais variadas profissões.

José Carlos de Oliveira Saldanha disse...

Em complemento senhor Honório, segue meu e-mail; saldanhaadv@ig.com.br

Gerllyanne Saldanha disse...

Somos parentes

Gerllyanne Saldanha disse...

Somos parentes

Anônimo disse...

Olha só quantos primos!

Patricia Matos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Patricia Matos disse...

Escrevi errado desculpe.
Vem do árabe e significa arma da fé.

Patricia Matos disse...

Mesmo com oriundos de portugueses ou da Espanha como muitas pesquisas indicam. A palavra Saldanha é árabe